Filme: The Edge of Tomorrow

O filme inicia parecendo um clássico filme de guerra clichê com o diferencial do inimigo serem alienígenas. Pelo estilo do filme, imaginei que seria só mais um filme clichê.

O protagonista também não ajudava nada: Um oficial covarde que fazia de tudo para fugir do combate e acaba sendo tratado como desertor e enviado para o front de combate a força.

A partir do momento que o filme se foca no loop temporal o cenário muda completamente e o filme se torna muito interessante, inclusive a personalidade detestável do personagem principal se molda na do clássico herói, deixando de ser tão insuportável.

Por fim, o filme ganha a minha recomendação com louvor. Um dos melhores filmes de ficção alienígena dos últimos anos tranquilamente e isso se dá ao não focar nos extraterrestres em si, mas no desenvolvimento dos próprios personagens da trama.

 

Tags: Ficção Científica / Guerra / Alienígenas / Loop temporal

Nota: 9.5/10 - Muito Recomendado!



Publicado por: Phalk em 09 de Fevereiro de 2015 às 11h02

Comentar



Viagens temporais e alguns dos seus paradoxos

O conceito de viagens temporais é algo que sempre me fascinou. Seja em filmes de ficção científica, RPGs, ou livros.  O tema sempre foi algo que me fascinou, e  isso foi o que me levou a gostar muito de tudo que se relacionasse, como os jogos da série da Chrono, Square Enix.

Levado por este interesse, algumas dúvidas naturalmente surgiram pra mim em relação as possibilidades e implicações do tema na vida real. Seriam viagens temporais realmente possíveis no mundo real?

Ao mesmo tempo que estas dúvidas surgiram, impulsionado por alguns buracos na lógica destas ficções científicas precisavam de respostas, então eu como todo adolescente cheio de tempo disponível busquei na internet o que outras pessoas e pesquisas diziam sobre o assunto.

Nessas pesquisas é possível encontrar a seguinte descrição:

"Viagem no Tempo é o conceito de transitar entre diferentes pontos no tempo, análogo ao movimento entre diferentes pontos no espaço[...]" (2011, Wikipedia)

O tema se tornou recorrente em ficções desde o Século XIX devido a evolução da física que acontecia nesse momento da história.

Cientificamente falando (como se eu tivesse alguma autoridade pra falar assim, haha), desde a Teoria da Relatividade de Einstein, é teoricamente possível realizar viagens somente de ida pro futuro, baseado na relatividade do tempo e velocidade.

Em termos mais compreensíveis, a velocidade seria capaz de "distorcer" a passagem normal do tempo, fazendo assim com que a percepção do tempo para algo que se encontra na velocidade diferenciada passe em um ritmo diferente em relação ao seu exterior. Um exemplo: Se eu sair da Terra em uma nave em uma velocidade muito alta, quando eu voltar a terra estarei no futuro em relação ao meu relógio de pulso. Um ano pra mim nessa nave, poderia ser 100 anos para as pessoas da Terra, dependendo da velocidade em que se viaja.

Porém, infelizmente, essa viagem no tempo seria algo inicialmente irreversível, pois até o presente momento não há nenhuma pista na física que possibilite uma viagem temporal para o passado. Atualmente, é possível que você viaje para o futuro, mas uma vez lá, não poderia jamais retornar ao seu presente.

De qualquer forma, muitas das verdades científicas que temos como absolutas nos dias de hoje, em determinado momento nada mais eram do que teorias, e por muitas vezes, eram vistas com contrariedade pela própria comunidade científica e sociedade. A própria teoria da relatividade é um conceito que jamais poderia ser imaginado a pouco mais de 100 anos atrás.

Mesmo com esse problema, suponhamos que ele seja resolvido e possamos, finalmente, voltar no tempo: Com isso, teríamos então diversos outros problemas pra resolver: Os paradoxos. O mais famoso deles, talvez seja o paradoxo do avô:

Grandfather Paradox (O Padadoxo do Avô)

Suponha que você viajou no tempo para o passado, encontrou seu avô e por algum motivo resolveu matá-lo porque ele te irritou. O que aconteceria com você?

O resultado disso, pensando por um viés lógico, seria que, obviamente, seus pais nunca teriam nascido, e conseqüentemente, você também não. Ou seja, você jamais poderia ter voltado no tempo para matar seu avô, visto que você não existiria. Mas você tinha acabado de fazê-lo. Tem-se aí então um dos grandes paradoxos das viagens temporais. Esse paradoxo é um dos principais argumentos contrários a possibilidade de viagem no tempo em direção ao passado.

De qualquer forma, algumas teorias foram formadas para tentar solucionar este problema, algumas delas baseando-se que o passado individual seria imutável.

Algumas dessas teorias são bastante conhecidas na ficção, como a teoria de uma suposta imunidade que o viajante temporal teria, se tornando uma entidade fora da continuidade do tempo a partir do momento que viaja, efetivamente não sendo afetado por nenhuma mudança na história e também a teoria das dimensões paralelas, onde efetivamente, o passado original jamais poderia ser alterado, pois existiria uma dimensão para cada variável de fato que, efetivamente já existiria um futuro para cada mudança possível que fosse feita no passado.

Complicado? Eu diria intrigante.

Publicado originalmente em 2011, no blog Stay Schizo.


Publicado por: Phalk em 04 de Fevereiro de 2015 às 20h02

Comentar



Filme: Time Lapse

Trata-se de um filme envolvendo 3 amigos ao descobrirem uma máquina capaz de tirar fotografias do futuro. O filme é bem inteligente, aborda algumas questões de paradoxos temporais e a trama é bem desenvolvida, apesar de meio morna no começo até o meio. O final me deixou bastante surpreso. 

Nota: 8.5/10 - Recomendado!


Publicado por: Phalk em 02 de Fevereiro de 2015 às 03h04

Comentar



Alguns dias depois

Bom, fazem alguns dias que não posto algo aqui. Esses dias eu estive me sentindo bem, talvez por isso não vi necessidade alguma de postar conteúdo... Na veradade, eu achei que deveria postar, mas fiquei com preguiça no fim.
Enfim, hoje tive um sonho bem ruim. Nele eu fazia coisas que eu costumo fazer na vida real e foi isso que tornou ele tão assustador. Parecia bastante real, pois o meu comportamento e o das outras pessoas era bastante fiel. Aconteceram coisas que, se eu tivesse feito da forma que fiz, realmente iriam seguir perfeitamente o script formado na minha cabeça. Enfim, apesar de só ter sido um sonho, o gosto amargo da realidade voltou pra minha boca quando acordei. E está comigo o dia inteiro.
Maldito feriado que me deixa tão íntimo de mim mesmo. 


Publicado por: Phalk em 26 de Agosto de 2014 às 15h25

Comentar



Aggression

Parece que o incômodo passou. Só precisei jogar algumas coisas fora. Hahaha
Finalmente!


Publicado por: Phalk em 21 de Agosto de 2014 às 22h12

Comentar


<< Página Anterior
Próxima Página >>